PicNic… PicMe


Panquecas {com leite de aveia}
February 22, 2018, 10:16 pm
Filed under: Salgado | Tags: , ,

Panquecas vivem naquela memória de infância. Aquela comida de mãe, que traz conforto só de imaginar.

E como é difícil trazer pra vida adulta um conforto de infância, de raiz, de base.

Tenho vivido essa transformação em tantos aspectos, mas todos passam pelo mesmo caminho que essa singela panqueca.

Me permitir redesenhar algo que já era certo, definitivo, é o primeiro desafio. Aceitar que é possível rever algo que nos foi dado e ainda ser confortável, mas agora com a seleção do que cabe na minha vida adulta, do que está de acordo com minhas escolhas sem sentir culpa, é outro passo. Me desapegar daquela verdade pra viver a minha, que naturalmente é uma continuação, uma releitura daquela origem, é o desfecho.

A panqueca é, em geral, composta de farinha, ovos, leite e sal. Às vezes açúcar, às vezes óleo.

Eu, por motivos diversos, não estou tomando leite de vaca, mas está sendo uma briga feroz com minha infância, com minha zona de conforto, com o conhecido, e ainda maior com o desconhecido.

Terminada a batalha, em geral, eu adulta fico muito satisfeita de ainda ter o conforto e reconforto de outrora (panquecas), mas com as escolhas de adulta (leite de aveia ao invés do de vaca).

Uma pequena vitória. Que ainda sofre ameaças e ataques sempre que estou fragilizada. Mas sigo, sabendo que ao final eu não estou perdendo nada, ao contrário, estou adicionando na trajetória a parte que me cabe, o eu, o meu.

A receita original é da Nathalie (francesa pra quem nem posso contar que cometi o sacrilégio com a tal substituição do leite):

Ingredientes:

125g de farinha de trigo

2 ovos

250ml de leite (usei o de aveia)

Sal

(Eu adiciono um fio de óleo)

Preparo:

Misturar a farinha , o sal e os ovos, adicionar o leite aos poucos com um batedor para não formar grumos

Deixar descansar por meia hora (eu gosto de passar por uma peneira depois do descanso para garantir que não ficou nenhum grumo).

Em uma frigideira levemente untada com óleo e em fogo médio, derrame uma porção e faça com que ela cubra toda a superfície da frigideira por igual. Quando as bordas começarem a soltar ou ficarem morenas, vire a panqueca por mais algum tempo. Repita o processo até acabar a massa. Recheie como desejar.

O leite de aveia foi o que achei de melhor custo benefício até agora, tanto no quesito valor quanto no de tempo e praticidade comparado aos outros leites vegetais, apesar de todos serem de simples preparo.

Leite de Aveia

Ingredientes:

1 xícara de aveia em flocos

2 xícaras de água filtrada

Preparo:

Deixe a aveia de molho em água por 20 minutos.

Descarte a água e, em um liquidificador, coloque a aveia escorrida e as duas xícaras de água filtrada.

Bata até ficar desfeita.

Passe por um pano de cozinha fino ou por um saquinho de tecido Voil (Panela furada).

O líquido extraído é o “leite” vegetal, que tem sabor suave e pode ser usado em receitas ou pra tomar puro mesmo. Manter refrigerado por até 3 dias, mas quanto mais fresco usar, melhor.

O resíduo também pode ser usado! Eu costumo colocar na massa de pão, nada desperdiçado!

Advertisements


Bolo simples de chocolate {com farinha de arroz}
April 8, 2016, 1:58 am
Filed under: Doce | Tags: , , ,

Bolo de chocolate com farinha de arroz

Nem sei quando que eu decidi que em minha casa sempre teria um bolo.

Eu tenho essa imagem na cabeça de uma mesa robusta de madeira que tenha sempre uma fruteira com frutas frescas e vibrantes e ao lado um prato de bolo com uma tampa de tule e uma faca a postos. Na minha imagem particular inclui uma luz de meio de tarde, uma brisa morna e a alegria de uma casa sempre em movimento, de um café saindo a qualquer momento para uma visita ou simplesmente uma pausa por apetecer um chá com bolo (de preferência fora de hora, pra dar aquela sensação de ser sapeca como uma criança).

E não tem faltado visitas queridas na minha vida, e o Bento brinca de fazer chá e bolo mais do que de carrinho e eu sei que apesar da minha casa não ser exatamente como essa imagem de fazenda linda que eu tenho na cabeça ela é assim cheia de bolo.

E quando precisei tirar o leite e depois a farinha eu confesso, fiquei assim meio sem chão. Eu continuei servindo o bolo, mas não mais dividindo o bolo e assim não poderia continuar. Eu queria partilhar aquele momento, daquelas garfadas, os suspiros de delícia ao se comer um bolo feito com afeto.

E aqui está, o tal que tirou suspiros de surpresa por ser diferente e assim mesmo ser igual, igual aquele que povoa nossas mais tenras memórias.

Eu adaptei a receita que veio no verso do pacote de farinha de arroz. Depois de uma outra receita falha, fiz os ajustes que achei que fariam esse ter sucesso e teve.

Troquei o açúcar branco pelo mascavo, que deixa o bolo mais úmido (e saudável!) e adicionei o café pra dar mais sabor.

Bolo de chocolate adptado daqui:

3 ovos

1 xícara de açúcar mascavo

1/2 xícara de óleo

1/2 xícara de chocolate em pó

1 xícara de água fervendo

1 colher (sopa) de fermento em pó

1 xícara de farinha de arroz

3 colheres (café) de café instantâneo (usei o orgânico)

1 colher (chá) de extrato de baunilha

Preparo:

Bater os ovos, o açúcar, o óleo e o chocolate em pó. Adicionar a água fervendo e o café. Deixar esfriar um pouco e adicionar o fermento, a baunilha, e a farinha de arroz.

Em forma untada com óleo e farinha de arroz assar em forno pré-aquecido a 180C por cerca de 25 minutos (verificar antes disso, o teste do palito deve sair limpo).

 



Mousse de Chocolate Miraculosa
January 25, 2016, 4:08 pm
Filed under: Doce | Tags: , ,

Screen Shot 2015-11-25 at 10.58.40 AM

E por mais que deseje o novo, eu sempre retorno pro conhecido.

Dizem que as andorinhas são assim. Exploram, voam pra longe, mas sempre sempre voltam pra casa. Símbolo de Lisboa, de onde eu vim, elas dizem muito sobre mim.

Então ao encontrar essa receita acabei por também encontrar um resumo de mim mesma.

Completamente paradoxal, ela é feita de chocolate e água, e apenas isso. Na teoria chocolate detesta água, mas aqui não, eles formam o casal perfeito e se transformam nessa mousse de textura inacreditável.

Eu que quero ir e estar, sempre ao mesmo tempo, vejo aqui que se eu encontrar a maneira certa de misturar esses meus desejos ainda hei de conseguir um resultado tão incrível quanto o desse doce de infância.

A receita achei no Food52  e é do Hervé This, ela está compilada no livro Genius Recipes, que é de fato genial.

Para 4 porções:

Ingredientes:

  • 3/4 de xícara (170g) de água
  • 227g de chocolate amargo (70%)
  • chantilly para servir (opcional)

Preparo:

Em uma panela coloque a água, leve ao fogo médio-baixo e adicione o chocolate e misture até derreter e obter um creme homogêneo.

Coloque a panela sobre uma tigela com cubos de gelo para resfriar (se preferir pode transferir o conteúdo da panela para uma tigela que estará sobre outra tigela que contenha o gelo, isso fará com que esfrie mais rápido) e bata com um batedor de arame ou uma batedeira de mão usando o aro. Ao bater o creme, irá incorporar o ar o que fará com que fique mais grosso e aerado ao mesmo tempo.

Quando dentro do aro se formar aglomerados de chocolate, despeje o conteúdo em 4 potinhos e deixe firmar.

obs: Três situações podem ocorrer ao se produzir essa mousse. Aqui seguem as situações e a maneira de corrigi-las:

  • Se o chocolate não contém gordura o suficiente, derreta a mistura novamente e adicione mais chocolate e repita as instruções.
  • Se a mousse não ficar leve o suficiente, derreta novamente o conteúdo e adicione mais água repetindo as instruções.
  • Se você bateu demais e por isso a mousse ficou granulada, isso significa que a espuma se transformou em uma emulsão. Nesse caso derreta novamente a mistura e siga as instruções novamente, sem necessidade de adicionar nenhum ingrediente.

 



Cookies com gotas de chocolate
January 23, 2016, 3:25 pm
Filed under: Doce | Tags: , , ,

Cookies veganos com gotas de chocolate

E quando nos tiram do que já estamos acostumados, vem o chiado, choramingo, esbravejo. Na minha opinião é puro medo, medo do que não sabemos, medo de errar, medo de sentir falta, medo de não caminhar com a mesma firmeza que temos dentro do território conhecido do mesmo.

Mas passada a fase de alarde, se aceitamos o caminho que se apresenta, vem a curiosidade, o desafio, o interesse pelo novo de novo.

Eu sem leite e derivados na vida, quem diria. Foi por amor que eu fiz e passado todo o desespero de “o que eu vou comer de café da manhã? Cade a minha média clara morna com pão e manteiga?”, consegui achar interessantíssimo o caminho do novo.

Boas surpresas sempre aparecem. Os melhores cookies que já fiz são (por acaso) veganos. Nem manteiga, nem leite, nem ovos. Crocantes, macios, recheados, delirantes.

Fica aqui esse milagre e um agradecimento aos ousados que tentam e conseguem. Me encheu de reconforto e de esperança.

Achei no Food52 essa receita incrível. Adaptei quase nada.

Rendimento: 18 unidades

Ingredientes:

250g (2 xícaras) de farinha de trigo

1 col. (chá) fermento químico

3/4 de col. (chá) de bicarbonato de sodio

1/2 col. (chá) de sal

1 e 1/4 xícara de gotas de chocolate amargo (usei o 55%- 70%)

100g (1/2 xícara) de açúcar

110g (1/2 xícara) de açúcar demerara

1/2 xícara + 1 col. (sopa) de óleo de canola

1/4 xícara + 1 col. (sopa ) de água

Preparo:

Misturar em uma tigela a farinha, o fermento, o bicarbonato de sódio e o sal. Adicione as gotas de chocolate e misture bem.

Em outra tigela misture os dois tipos de açúcar com o óleo e a água até incorporar.

adicione a mistura de farinha na mistura de açúcar até apenas incorporar com uma colher de pau ou espátula. Não misture demais a massa.

cubra com plástico e deixe descansar na geladeira por 12 a 24 horas. (NÃO PULE ESSA ETAPA! Ela é fundamental para o bom resultado. Vale a pena esperar!).

Pré aqueça o forno a 180C . Usando um boleador de sorvete faça bolinhas com a massa e distribua sobre uma forma forrada com papel manteiga. Recomenda-se congelar por 10 minutos as bolas de massa antes de levar ao forno para garantir que os cookies mantenha a forma ao assarem.

Assar por 12 a 13 minutos ou até as bordas dos cookies ficarem douradas. Cuidado para não assar demais!

Sirva os cookies depois de esfriarem. (Aqui eu gosto mesmo é de come-los morno! Mas é de cada um..)